O que é Cubismo ?

Atualizado: 29 de Jul de 2020



O cubismo é um movimento artístico, criado por Pablo Picasso e Georges Braque, que emprega formas geométricas em representações de formas humanas e outras. Com o tempo, os toques geométricos ficaram tão intensos que, às vezes, ultrapassaram as formas representadas, criando um nível mais puro de abstração visual. Embora a era mais potente do movimento tenha sido no início do século 20, as idéias e técnicas do cubismo influenciaram muitas disciplinas criativas e continuam a informar o trabalho experimental.


A PRIMEIRA ERA DO CUBISMO


Pablo Picasso e Georges Braque se conheceram em 1905, mas não foi até 1907 que Picasso mostrou a Braque o que é considerado a primeira pintura cubista, Les Demoiselles d'Avignon. Este retrato de cinco prostitutas tem forte influência da arte tribal africana, à qual Picasso havia sido exposto recentemente no Palais du Trocadéro, um museu etnográfico de Paris.


Quebrando quase todas as regras da pintura ocidental tradicional, o trabalho foi um salto enorme em relação aos períodos anteriores em azul e rosa, que eram muito mais representativos e emocionais. Picasso hesitou em exibir o trabalho ao público, e não foi visto até 1916.



Braque, que pintou no movimento fauvista, ficou repelido e intrigado pela pintura. Picasso trabalhou com ele em particular nas implicações da peça, desenvolvendo juntos a forma cubista. Braque é o único artista a colaborar com Picasso e, durante um período de dois anos, eles passaram todas as noites juntos, sem que nenhum deles pronunciasse um trabalho terminado até que o outro concordasse.


A resposta de Braque ao trabalho inicial de Picasso foi sua pintura Large Nude, de 1908, conhecida por incorporar as técnicas de Paul Cézanne como uma influência preocupante. Assim começou a primeira era do cubismo, conhecida como cubismo analítico, que foi definida por representações de um sujeito a partir de múltiplos pontos de vista ao mesmo tempo, criando um efeito fraturado e multidimensional expresso através de uma paleta limitada de cores.



O termo cubismo foi usado pela primeira vez pelo crítico francês Louis Vauxcelles em 1908 para descrever as pinturas de paisagens de Braque. O pintor Henri Matisse já os havia descrito para Vauxcelles como parecendo constituídos por cubos. O termo não foi amplamente usado até a imprensa adotá-lo para descrever o estilo em 1911.


Em 1909, Picasso e Braque redirecionaram seu foco dos seres humanos para os objetos para manter o cubismo fresco, como acontece com o violino e a paleta de Braque.



OUTROS JUNTAM-SE AO MOVIMENTO CUBISTA


A exposição mais ampla trouxe outras pessoas ao movimento. O artista polonês Louis Marcossis descobriu o trabalho de Braque em 1910, e suas pinturas cubistas são consideradas como tendo mais qualidade humana e toque mais leve do que as obras de outros.


O artista espanhol Juan Gris permaneceu à margem do movimento até 1911. Ele se distinguiu ao recusar tornar a abstração do objeto mais essencial que o próprio objeto. Gris morreu em 1927, e o cubismo representa uma parte significativa do trabalho de sua vida.


O pintor francês Fernand Léger foi inicialmente influenciado por Paul Cézanne e, ao conhecer os praticantes cubistas, adotou a forma em 1911, com foco em assuntos arquitetônicos.


Marcel Duchamp flertava com o cubismo a partir de 1910, mas era frequentemente considerado em desacordo com ele. Sua famosa pintura de 1912, Nude Descending a Staircase (No. 2), reflete a influência, mas apresenta uma figura em movimento. Normalmente, nas obras cubistas, o espectador é mais colocado em movimento, uma vez que a perspectiva apresentada na tela é de múltiplos planos, como se o artista estivesse se movendo pelo objeto e capturando todas as vistas em uma imagem.




A SEGUNDA ERA DO CUBISMO


Em 1912, Picasso e Braque começaram a incorporar palavras nas pinturas, que evoluíram para os elementos de colagem que dominam a segunda era do cubismo, conhecida como cubismo sintético. Essa fase também foi marcada pelo achatamento dos objetos e brilho das cores.


Braque experimentou ainda mais a colagem, levando à criação da técnica de papier collé, vista no Fruit Dish and Glass de 1912, uma mistura de papel de parede colocado dentro do guache. A introdução da colagem ampliou ainda mais a paleta de cores do formulário.


Escultores também exploraram formas cubistas. O artista russo Alexander Archipenko apareceu pela primeira vez em 1910 ao lado de outros cubistas, enquanto o refugiado lituano Jacques Lipchitz entrou em cena em 1914.



CUBISMO ORFICO


Um movimento ramificado designado Cubismo Órfico centrou-se no coletivo do Grupo Puteaux. Formado em 1913 pelo pintor francês Jacques Villon e seu irmão, escultor Raymond Duchamp-Villon (ambos irmãos de Marcel Duchamp), esse ramo adotava tons ainda mais brilhantes e abstração aumentada.


Robert Delaunay é considerado uma representação primária dessa ala, compartilhando interesses arquitetônicos semelhantes aos de Leger, que ele aplicou várias vezes a representações cubistas da Torre Eiffel e outras estruturas parisienses notáveis.


Outros membros Roger de la Fresnaye e Andre Lhote viam o cubismo, não como uma subversão da norma, mas como uma maneira de devolver ordem e estabilidade ao seu trabalho, e encontraram inspiração em Georges Seurat. A pintura mais conhecida de De la Fresnaye, A conquista do ar, de 1913, é um auto-retrato cubista de ele e seu irmão em um balão de ar quente.



CUBISMO: Primeira Guerra Mundial e além


A Primeira Guerra Mundial efetivamente interrompeu o cubismo como um movimento organizado, com vários artistas, incluindo Braque, Lhote, de la Fresnaye e Léger, sendo chamados para o trabalho. De la Fresnaye teve alta em 1917 devido à tuberculose. Ele nunca se recuperou completamente, tentando continuar fazendo arte, mas morrendo em 1925.



Em 1917, Picasso retornou sua prática de injetar mais realismo em suas pinturas, embora sua recusa em ser detida significasse que o cubismo reaparecesse em algumas obras ao longo dos anos, como The Three Musicians (1921) e The Weeping Woman (1937), uma resposta à Guerra Civil Espanhola.


Braque continuou sua experimentação. Seu trabalho adicional apresentou elementos do cubismo, embora notados por menos rigidez nas abstrações dos assuntos e usando cores que não refletem a realidade da natureza-morta.


INFLUÊNCIA CUBISTA


Embora o cubismo nunca tenha recuperado seu lugar como uma força organizada no mundo da arte, sua vasta influência continuou em movimentos artísticos como futurismo, construtivismo, expressionismo abstrato e outros.


O cubismo também influenciou outras formas; na literatura, James Joyce, Virginia Woolf, Gertrude Stein e William Faulkner; na música, Igor Stravinsky; na fotografia Paul Strand, Aleksandr Rodchenko e László Moholy-Nagy; no filme Hans Richter e Fritz Lang; bem como design gráfico e design cênico.




Livros Recomendados pela Escola das Artes sobre Cubismo



1 - Cubismo - Coleção Movimentos da Arte Moderna


2 - Cubismo


3 - O cubismo: uma revolução estética - nascimento expansão


4 - Pablo Picasso


5 - Picasso (Biografias)


6 - Georges Braque






Se você tem interesse em aprender mais sobre a História da Arte eu recomendo o nosso curso História da Arte Moderna e Pós-Moderna , nele você encontra mais de 30 horas de conteúdo de qualidade e tudo 100% Online . Aprenda no conforto da sua casa e no seu tempo com o Professor Dante Velloni .



Tags #arte #artista #desenho #pintura #EscoladasArtes #HistoriadaArte #Cubismo #PabloPicasso #GeorgesBraque






24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo